Presidente da CMBA é acusado de peculato. Vereador diz que é vítima de armação

Escrito por Agostinho Alves do Vale em .

Se confirmada a veracidade dos fatos, Adautivo poderá ter incorrido no crime de peculato, que, conforme definição do ordenamento jurídico brasileiro, “consiste na subtração ou desvio, por abuso de confiança, de dinheiro público ou de coisa móvel apreciável, para proveito próprio ou alheio, por funcionário público que os administra ou guarda; abuso de confiança pública”.

Defesa

Adautivo não ficou calado diante da acusação e também usou as redes sociais para fazer a sua defesa. O parlamentar admitiu que a residência que aparece nas postagens é dele, mas negou que tivesse feito qualquer tipo de solicitação junto ao secretário de Obras para que o barro fosse entregue lá.

O vereador fala ainda que o barro foi entregue sem a sua autorização. “Esse fato aconteceu há aproximadamente 2 meses. Eu estava lecionando no turno vespertino na Escola José Leite, quando recebi uma ligação do secretário municipal de transporte e obras pedindo para eu ir até a minha casa receber um barro. Não fui!”, afirmar o parlamentar.

Adautivo acusa o secretário de obras de premeditar o fato para ter elementos acusatórios contra o vereador. “Talvez, ele queria tirar uma foto ou me filmar próximo as máquinas da prefeitura trabalhando em frente a minha casa. Foi tudo premeditado. Mas já tenho informações que quem filmou e tirou as fotos foi um rapaz que acompanhava o secretário marionete”, acusou Silva.

Adautivo disse que se trata de perseguição política contra sua pessoa, por conta de sua posição de agora ser oposição ao governo Zeca. Esse episódio, é resultado de minha posição frente à bandidagem que estão fazendo em BOCA DO ACRE.

“Minha posição contrária a tudo isso, vem causando inquietações na base da quadrilha que saqueia os cofres públicos às claras”, afirma e completa dizendo: “Virei uma ameaça às intenções deles”.