Com Agostinho Alves - email: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.


JORNAL OPINIÃO: Seis anos, isso mesmo

Escrito por Agostinho Alves. Publicado em OPINANDO

Contra todas as projeções de insucesso e o desejo de derrocada, o jornal Opinião completou nesse mês de fevereiro, seis anos de vida. Para quem dizia que não duraríamos quatro anos, até que estamos bem. Agradecemos ao leitor bocacrense, que permite a nossa existência, através da confiança no nosso trabalho. Teremos mais seis anos pela frente, informando acima de tudo com muita honestidade, sem cor partidária, merecendo ou desmerecendo qualquer que seja o grupo político. Nossa bandeira é Boca do Acre.

Elogio para quem merece

Em uma cidade onde o empresário ainda não aprendeu a tratar o cliente como peça fundamental para o seu negócio, que vendem como se fizessem um favor, aparecem aqueles com uma linguagem diferente, aberto ao diálogo, ouvindo críticas e respondendo com tentativas incansáveis de fazer o melhor para a clientela. Assim é Alex Campos, servidor da operadora de internet de Boca do Acre, ao dizer que trabalha incansavelmente para ver o sorriso no rosto do cliente. 

O que é facção

De acordo com o dicionário, a palavra facção significa “expedição militar ou feito de armas heroico”. Também quer dizer “grupo de indivíduos partidários de uma mesma causa em oposição à de outros grupos”. No entanto, grupos de criminosos que foram formados em várias capitais brasileiras, foram autodenominadas de facções, fazendo a palavra ter um ar forte e jocoso.

Grupos ou facções?

Na edição passada, escrevi de forma crítica para os dois grupos políticos que se alternam no poder em Boca do Acre há 16 anos, classificando-os como facções. Do ponto de vista conceitual, todo grupo é uma facção, por mais benéficos que sejam seus objetivos.

Ofendidos

Quem leu, não gostou, achando que eu havia classificado os componentes dos grupos políticos de criminosos, por comparar às facções que levam o terror ao estado do Acre. Não foi bem assim, aprenda a ler.

Vamos analisar

Mas vamos analisar se esses grupos políticos merecem ou não serem comparados com as facções que aterrorizam o estado vizinho. As facções do Acre são grupos que praticam perseguição aos opositores, ou aos que não são seus. O mesmo acontece aqui, pois quando cada um dos grupos ascende ao poder, a meta é perseguir o derrotado. Assim vem acontecendo há mais de uma década e meia. 

O poder

As facções acreanas lutam pelo domínio territorial. Em Boca do Acre, esses grupos estão há 16 anos buscando nada mais do que o poder. 

Mais uma comparação

O objetivo das facções acreanas não é social, é de poder e de enriquecimento. Em Boca do Acre acontece algo similar, pois os grupos que conseguem sentar na gestão do município, ainda não demonstraram que estão preocupados com a sociedade, mas com o próprio bolso, com o favorecimento familiar, com a riqueza temporária que um governo pode dar. 

Existem os bons

Evidentemente que em ambos os grupos, existem pessoas de caráter, que praticam a honestidade, que almejam uma Boca do Acre de todos, e não de grupos. Você que pensa dessa forma, não se sinta ofendido, pois os que fazem esses grupos serem vistos como facções, são aqueles seres abomináveis, corruptos, que entram em um governo pensando em perseguir, em difamar, enricar ilicitamente, em suma, fazer como se diz na linguagem popular: “se dar bem”.

A carapuça serviu

Mas, se a carapuça serviu, é porque você faz parte daqueles que têm a visão de grupo, e não visão social, então, sinto muito, o recado foi para você. 

Só em Boca do Acre

Como é que pode? Prestações de contas sumirem assim, do nada, sem explicação, de dentro do poder que preza pela legalidade? É preciso ter uma explicação plausível para esses sumiços de documentos tão importantes. Isso só prova que a nossa classe política sempre foi uma vergonha. Que isso mude de agora em diante.

Vergonha

A Câmara de Vereadores vem provando ao longo da história que não serve para absolutamente nada, a não ser dar despesa para o município. Essa legislatura deve começar a remar contra essa marca negativa.

Por que ninguém explica nada?

Pedimos explicações para essas compras suspeitas de favorecimento de empresas ligadas à campanha de Zeca Cruz, mas ninguém explica nada. Será que não tem explicação ou é um governo sem transparência.

A blitz é necessária

É importante que as barreiras da PM sejam realizadas. Agora quem se revolta contra as batidas que a Polícia Militar dá, é porque se acostumou a viver sempre na ilegalidade, não se preocupou em tirar sua carteira de habilitação ou documentar seu veículo. Boca do Acre não é mais uma terra sem lei, como antes. Quero ver se aqueles que estão documentados, andando legalmente, se estão incomodados com uma blitz.

Viva a vida

Cada motocicleta irregular que é apreendida, cada menor que é retirado de circulação porque estava dirigindo, cada motorista embriagado que é impedido de circular, é uma vida ou várias vidas a mais que se preserva.