Com Agostinho Alves - email: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.


O governo das caronas

Escrito por Agostinho Alves. Publicado em OPINANDO

Parece um governo sem veículo, pegando carona direto. Ou seria uma desculpa para poder contratar a ‘empresa parceira’? Até agora, foram duas caronas declaradas, para a contratação de medicamentos e de material gráfico. Uma das caronas não foi declarada, justamente da Educação.

Indício de rolo

Tudo parece muito, mais muito suspeito, essa quantidade de caronas. Com isso, a concorrência não acontece, as empresas não têm oportunidade de concorrer em pé de igualdade, os valores não são divulgados, muito menos a quantidade dos produtos que foram adquiridos, enfim, nebulosidade total em ações que deveriam seguir à risca a transparência.

Pega na mentira

O prefeito me falou por ligação, que os medicamentos que entraram na Secretaria Municipal de Saúde no dia 02 de janeiro, havia sido doados. Pois, o fato é que uma publicação no Diário Oficial dos Municípios, assinada pelo vice-prefeito Carlos Afonso, desmentiu o prefeito ao declarar que os medicamentos haviam sido comprados por meio de carona. Na próxima edição, daremos mais detalhes da mentira.

Explique essa ‘carona’

Queria que o prefeito, o vice, os vereadores, o secretário de Administração, o pregoeiro, e quem mais pudesse, explicassem essa tal ‘carona’ que propiciou a compra dos mais de 3600 cadernos para a Secretaria Municipal de Educação.

Perguntas

A carona veio de onde? Qual o valor global da compra? Por que o empresário que apoiou Zeca Cruz nas eleições foi o beneficiado? Por que o fato não foi publicado em diário oficial? Por que não foi dada a chance de mais empresas participarem, visando o menor preço, até porque em tempos de crise, economia é a palavra de ordem? Respondam essas singelas perguntas.

Do mesmo naipe

O que eu vejo é uma hipocrisia de ambos os grupos: Quem antes criticava, de forma acintosa, hoje, está vendo os mesmos erros ocorrerem, não aceitam opiniões adversas e até perderam a vós da crítica. Por outro lado, os que ficavam calados, e até aplaudiam a corrupção, e defendiam o corrupto, hoje querem parecer honestos.

A mesma m....

São dois grupos que não merecem respeito, pois são da mesma marca, a diferença é que quem ficar de fora, sempre vai ver os erros e quem está dentro, vai se fingir de cego e até tentar tapar o sol com a peneira.

Aloprados

São dois grupos de aloprados, que só fazem mal para Boca do Acre. Bom seria se as mentalidades, as atitudes e até as pessoas que compõem essas duas facções sumissem daqui, para o bem da sociedade.

Facções

No estado do Acre, as facções criminosas estão tocando o terror nas ruas, para o cidadão de bem. Não é diferente em Boca do Acre, com essas duas facções se alternando no poder a cada quatro anos, tocando o terror no cidadão de bem, que não é envolvido na politicagem maldita que está entranhada aqui.

16 anos de sofrimento

Não são meros grupos políticos, são facções criminosas, que atentam contra a moral, bons costumes. São 16 anos de derrota para Boca do Acre. Quando não é um, é o outro, quando não é o outro, é o um e o que podemos ver de positivo. Nada, pois quem entra não tem compromisso com o coletivo, mas com o grupo de apoio. E os opositores? Que se ferrem! E o cidadão de bem, que não está metido com as corjas? Que se ferre ainda mais.

Boca do Acre de grupos

As facções vão viver a vida inteira brigando e tentando privilegiar os seus e prejudicar o contrário, dessa forma, nunca teremos uma Boca do Acre dos sonhos, mas a Boca do Acre de grupos.

Por que isso?

Solicitamos informações da prefeitura de Boca do Acre e obtivemos a seguinte resposta: “Meu amigo... Levamos ao conhecimento da assessoria jurídica suas indagações... E fomos orientados que a partir das informações oficial desta empresa ou qualquer outro processo, deve ser respondido através de prévia solicitação documental, registrada no setor de protocolo...”

Fomos saber

Como foi afirmado que a Assessoria Jurídica orientou o procedimento, perguntamos aos dois advogados que representam a prefeitura. Alysson Lima disse que a orientação não partiu dele, o mesmo dito pelo advogado Francisco Félix. Mandamos mensagem para a Controladora da prefeitura de Boca do Acre, Monize Rafaela, mas não obtivemos respostas.